Sem categoria

Isto é sobre música.


Se faz absolutamente necessário um post sobre música neste blog. Apesar de meu gosto musical ser extremamente controverso e para algumas pessoas levemente indigesto, acredito que 1 minuto de cada título não irá realmente lesionar os tímpanos. Uma breve seleção das músicas que embalaram, surpreenderam ou me viciaram no ano que se passou ( ou se passaram ).

Como disse, este é um exemplo perfeito de quão controverso é meu gosto musical. Não gosto geralmente desse gênero, mas por um milagre, enquanto ouvia uma dessas rádios online e fazia almoço me vi procurando Alt-J no Youtube e ouvi umas 50 vezes até agora. É daquelas que você cozinha, corre na chuva ou vai ao mercado ouvindo.

Essa veio de um musical chamado Hedwig and the Angry Inch, que é lindo de tal forma que não consigo descrever. Na letra temos o mito da origem do amor que foi contado por Platão no livro O Banquete, que todo ser vivente deveria ler.

Metric se transformou em uma de minhas bandas preferidas graças a essa música, que encontrei não sei como, mas faz quase 3 anos que está invicta em minha play list. Beating like a hammer 24 horas por dia.

Já viciei pelo menos uma dúzia de pessoas em Andrew Bird e coloco-o na tentativa de duplicar tal número. As letras falam sobre tudo, de forma inteligente, com vários instrumentos e toda a delicadeza do querido Sr. Bird.

Músicas que trazem aquele ar dos anos 80 sempre me deixam feliz. O filme Drive, a jaqueta e toda a trilha sonora me deixou meio viciada, passei algumas semanas ouvindo as músicas e vendo vários filmes 80’s.

Aqui temos o mesmo acontecimento com Alt-J. Não gosto de Blue October, nunca, mas essa música foi mais forte que meu gosto, corri muitos quilômetros ouvindo ela, cozinhei, escrevi, trabalhei. Não sei porque, mas foi assim.

Todo o álbum me proporcionou uma grande gama de reflexão e essa música em especial me trouxe certas respostas.

Patti Smith é um caso de amor, profundo, latente. Algo no jeito forte, sem compromisso, completamente diferente de tudo, traz uma inquietação, daquelas boas, que nos fazem sentir que estamos vivendo.

Visceral poderia resumir o som de Hevein e em Nor temos o que de melhor a música pode trazer, em minha opinião. A banda muito pouco conhecida me foi apresentada pelo meu marido e sempre que penso em algo digno de indicação chego nessa.

Existe música e existe Sigur Rós. Faz 2 anos que tenho apreciado MUITO Post-rock e não consigo ainda encontrar o motivo, mas essa banda islandesa é maravilhosa de mais.

Toda pessoa na Terra deveria ouvir essa música uma vez nada vida, apenas.

Toda pessoa na Terra deveria ouvir essa música uma vez nada vida. Em caso de solidão, tristeza ou dúvida, ouvir 3 vezes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s